Entre os dias 20 e 23 de agosto, o arcebispo de Palmas, dom Pedro Brito Guimarães participou do III Encontro da Igreja Católica na Amazônia Legal, na Casa de Encontro Maromba, em Manaus (AM). O encontro reuniu cerca de 55 bispos de toda a Amazônia brasileira, e teve como tema o Sínodo Pan-Amazônico.

O Encontro é organizado pela Rede Eclesial Pan-Amazônica (Repam) e Comissão Especial para a Amazônia da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Tendo como objetivo partilhar experiências, criar metas a partir da Amazônia brasileira e aprofundar questões relacionadas ao Sínodo de 2019, cujo foco está no olhar para a região.

Conforme Dom Pedro, Sínodo significa “queremos caminhar juntos", que consta dois polos para esse caminho, o da Igreja e da Ecologia Integral, para assim poder fazer um caminho de intercomunhão. “Ninguém faz nada sozinho, por isso precisamos que haja essa comunhão de todos os seres da natureza, da ecologia e da Igreja. Cada árvore da Amazônia é uma biblioteca, para nós lembrarmos do que Ele criou. A Amazônia é o grande pulmão da humanidade, e o Sínodo não é só para a Amazônia, e sim para toda humanidade”. 


Sínodo para Amazônia 


Convocado pelo papa Francisco para ser realizado em outubro de 2019, o Sínodo para a Amazônia foi o grande destaque do encontro. Ele foi apresentado aos bispos pelos brasileiros membros do Conselho Pré-Sinodal, cardeal Cláudio Hummes, dom Neri Tondello, dom Roque Paloschi, dom Erwin Krautler e irmã Maria Irene Lopes.

Em processo de realização, o Sínodo teve sua abertura em janeiro, em Porto Maldonado, como afirmou o papa Francisco por ocasião da visita ao Peru, as dioceses da Pan-Amazônia promovem momentos de escuta dos povos em todo o território Amazônico. Na oportunidade, foi apresentado aos bispos as atividades realizadas e os materiais produzidos que podem contribuir com a dinâmica sinodal.