Arquidiocese de Palmas

A Arquidiocese de Palmas celebra a formação de mais um sacerdote no próximo sábado (18)

Hoje conversamos com o diácono Marcos Teles Azevedo, e falamos sobre sua conquista espiritual que terá um novo marco no próximo sábado, às 19h30 na Paróquia São José em Palmas/TO. O diácono se tornará um sacerdote, e transpira muita alegria por isso.

 Neste momento, podemos perceber um brilho diferente no aspecto deste jovem, que consolida seu sim a um chamado tão especial.E foi numa conversa informal que percebemos este estado de plenitude em Marcos, daí procuramos saber um pouco mais de sua história.

O jovem nos contou que foi em 2006 que resolveu vir para Palmas, ele que é natural de Conceição do Tocantins, chegou na capital para estudar Direito.Seu objetivo era fazer o cursinho pré-vestibular e ingressar na Universidade Federal do Tocantins, sendo assim, após abraçar seus pais, Marcos saiu de casa aos 15 anos e passou por outras cidades até chegar definitivamente em Palmas, aos 18 anos, onde foi acolhido pela irmã Ana Paula.

Ele disse que não tinha idéia que sua vida iria tomar outro rumo, que seus planos traçados tomariam outra direção. Foi então que , segundo ele, ao participar de uma missa na paróquia São José, durante o canto do Salmo, sentiu uma voz dentro de seu ser que falava como que preenchesse sua vida por completo e dizia: "ESTOU COM SAUDADES DE VOCÊ."

Marcos afirma que a sensação foi tão inexplicável e ao mesmo tempo tão certeira, porque de fato ele há muito que se distânciara da igreja, que a partir daquele momento nada mais fez sentido à sua vida. Tudo parecia tão segundário que a igreja passou a ser seu foco principal, passou progressivamente por vários setores até chegar ao seminário menor, e então hoje praticamente as vesperas de sua ordenação.

Perguntamos se em algum momento sua vocação vacilou, se o homem pensou em fazer o caminho de volta e ele nos contou que durante a caminhada muita coisa aconteceu e que embora haja o acompanhamento de perto, existem coisas que somente o "eu" pode reconhecer,  que crises aparecem, crises que chamou de "deserto espiritual" o qual definiu como uma ausência de Deus e procura de respostas que parecem nunca serem respondidas; mas que ao final percebe-se que Deus sempre esteve ali.

Ele recorda que nestes momentos sempre lembrava da frase do Arcebispo Dom Pedro que dizia:

"O deserto enquanto vontade de Deus."

Hoje seu rosto tem um brilho diferente e ele termina com a seguinte frase:

"Sinto o Amor de Deus que me preenche tão completamente que nada mais me é necessário a não ser a vontade de transmitir esse amor às pessoas."

Que Deus abençoe sua Missão padre Marcos Telles Azevedo.

 

 

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

X