Arquidiocese de Palmas

Arquidiocese de Palmas expede orientações às Paróquias e fiéis durante a pandemia do Coronavírus

VIU, SENTIU COMPAIXÃO E CUIDOU          

Amado, amada de Deus, tenho sede!

                  “Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3,16). Jejuando quarenta dias no deserto, Jesus consagrou a observância dos preceitos quaresmais. A Quaresma e a Semana Santa merecem ser vividas em clima e em espírito de paz, de oração, de conversão e de caridade fraterna. No entanto, neste ano, de modo muito particular, Jesus nos chama a vive-las, marcadas pela pandemia do coronavírus (Convid-19). Vivemos um tempo complexo. E muitos de nós podemos ser atingidos por este vírus. Parece a luta entre o gigante Golias e o pequeno Davi (1Sm 17,49). Uma provação para a nossa conversão neste tempo quaresmal.

Portanto, por prevenção e pelo bem espiritual de todos, determino que sejam tomadas as seguintes providências:

  1. Que todas as Paróquias cuidem da prevenção e da segurança sanitária dos fiéis, através da limpeza, da higienização e da ventilação dos espaços litúrgicos e de informações médico-sanitárias.
  2. Que sejam adiados ou cancelados eventos pastorais que não sejam estritamente necessários ou inadiáveis.
  3. Que os idosos e as pessoas com doenças crônicas, com saúdes debilitadas e com baixas imunidades, sintam-se dispensados do preceito da missa dominical. E caso apresentem sinais de febre e dificuldade de respiração, procurem os espaços e os especialistas em saúde pública para a certificação se se trata realmente da contaminação por coronavírus.
  4. Que por tempo em que fizer necessário, ficam suspensos a comunhão sob duas espécies, na boca, o abraço da paz, a oração do Pai nosso, de mãos dadas, e a catequese, de todas as etapas, inclusive a preparação para os Sacramentos que não for inadiável e estritamente necessária. Fica também dispensado o beijo da Cruz, na sexta-feira santa. Tudo enfim, sem prejuízo para a vida espiritual e sacramental dos fiéis, sobretudo nesta Quaresma e Semana Santa.
  5. Para os idosos e doentes, que não puderem ir às Igrejas e que não estejam em quarentenas, por conta do coronavírus, pedimos que os Ministros Extraordinários da Comunhão Eucarística levem a comunhão eucarística a estas pessoas.
  6. Determino que nas missas, das quartas-feiras, na Casa de Maria, sejam rezadas na seguinte intenção: “para que o Senhor proteja o seu povo de todas as enfermidades”. Autorizo as Paróquias, que assim desejam, a fazer o mesmo.
  7. Incentivo, pessoal e em família, a reza do Terço, da Via-Sacra e de outras orações de devoção e de piedade, para que Deus nos livres desta pandemia. Rezar sempre faz bem à saúde.
  8. Por fim, recomendo a todos que não criemos pânicos desnecessários, não alimentemos medos e nem divulguemos notícias falsas, receitas, medicamentos e tratamentos, sem as devidas comprovações médico-sanitárias. Neste tempo de provação o cristão é chamado, mais do que nunca, a dar razões a sua esperança (1Pd 3,15), “sal da terra e luz do mundo” (Mt5,13-14).
  9. Neste momento de restrições presenciais nas Igrejas, que as pessoas se esforcem para participar das missas televisionadas ou irradiadas, para que o domingo seja vivido como dia de oração, da Palavra e da Eucaristia. Podemos utilizar os meios tecnológicos virtuais disponíveis para que Deus chegue aos corações das pessoas.

Que ninguém se sinta discriminado e isolado à sua própria sorte. Conte, ao menos, com as nossas orações. Que a nossa Igreja seja o espaço sagrado onde as pessoas encontrem a verdade, a bondade, o consolo espiritual, a proteção e a segurança. Que neste tempo de penúria, a nossa Igreja seja um “Hospital de Campanha” para curar as feridas dos corpos e das almas de muitos.

Estas determinações serão, posteriormente, atualizadas ou canceladas, quando se fizerem necessárias.

Com os olhos fixos em Jesus, autor e consumador da fé (Heb 12,2), caminhemos de esperança em esperança, sem perder a fé. Que Deus nos dê uma abençoada Quaresma e uma santa Páscoa de Ressurreição. “Ao vencedor darei, como prêmio, comer da árvore da vida, que está no paraíso de Deus” (Ap 2,7). Amém!

Dom Pedro Brito Guimarães

Arcebispo da Arquidiocese de Palmas

Palmas, 17/03/2020

 

Confira o arquivo em PDF: Viu, sentiu compaixão e cuidou

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

X