Arquidiocese de Palmas

Congresso Missionário vira poesia

O padre Caetano Caon, da diocese de Vacaria (RS), escreveu algumas poesias sobre o 3º Congresso Missionário Nacional, que aconteceu em Palmas (TO) de 12 a 15 de julho e reuniu mais de 600 delegados de todo o Brasil e do exterior.

Um apaixonado pela dimensão missionária, padre Caetano, em entrevista, revelou que se não pudesse ser padre missionário na Amazônia, não valeria a pena ter sido ordenado. “Quando eu era criança, tinha 13 anos, já queria ser padre, mas, somente se pudesse ser padre missionário da Amazônia”, relevou. Foi enviado pela primeira vez à região em 1984, pelo então bispo da diocese de Vacaria, dom Henrique Gelain. De lá para cá nunca mais deixou a missão. Anualmente desenvolve trabalhos missionários e leva outros missionários.

O sacerdote de Vacaria vai todos os anos a Amazônia conviver com o povo, aprender, rezar juntos. Ele é o padre referencial do Conselho Missionário Diocesano (Comidi) da diocese Vacaria há 10 anos. Sobre as poesias, ele diz que escreve desde a adolescência e recita um trecho de um poema de seu primeiro livro, “Poesia e poemas, Amazônia e missões”, publicado em 2002, para falar de seu amor às missões e a Amazônia. “Desde jovem que amo as missões, na Amazônia dos sonhos meus, e que busco este Reino bendito, dos amores e sonhos de Deus”.

Leia abaixo os poemas do padre Caetano, escritos especialmente sobre o 3º Congresso Missionário Nacional

Há uma cidade lá no Cerrado,

com águas azuis ao lado

e com o lindo nome de Palmas.

seu povo, forte e moreno,

é amável como o sereno no coração e nas almas!

O 3º Congresso Nacional

aos missionários, em especial

nos desafiou à missão:

para buscarmos, cada vez mais,

das choupanas às catedrais,

evangelizar com o coração!

O ambiente, qualificado.

O auditório, bem ventilado,

Como convém por aqui.

As palestras e mutirões,

Liturgias e Celebrações

Foram belezas que eu vi!

Os 600 participantes,

Saímos bem mais confiantes

Na força que a Palavra tem,

No mistério do Deus que passa,

E que deixa o sinal de sua graça pelos continentes também!

Ser missionário!

Ser missionário é ser pessoa itinerante,

Indo pertinho ou mesmo bem distante

Como em sua vida andou Jesus.

É andar caminhos e distâncias desafiantes

Como nunca alguém já andou antes,

E como andaram os discípulos de Emaús!

A Igreja é missionária!

A Igreja, missionária por natureza,

E aqui partilhou a riqueza

De um Brasil missionário.

Há povos que pedem a ação,

Dos pés que vêm e que vão e dos joelhos ante o sacrário!

A missão

A missão é estrela que brilha.

É caminho, é encontro e partilha.

É envio e poema de amor.

É martírio que o sangue oferece,

Na mais missionária das preces,

Já vividas por Nosso Senhor!

A missão para ser exitosa,

Nos exige oração vigorosa

E uma sólida vida interior.

Ela encanta, transforma, sublima

E realmente nos aproxima

Do Missionário do amo!

Deus é feliz e Ele dá felicidade

A todo aquele que se abre à verdade

Com singeleza de coração.

Que acolhe a Palavra de Deus,

Que busca o reino dos céus

Com novo ardor e paixão!

O Evangelho é mistério de graça,

Que além das culturas passa,

Pelos caminhos do coração,

De todo aquele que crê

E daquele que ainda não vê,

As maravilhas da salvação!

Concluindo!

Foram lindos os horizontes,

De onde brotaram as fontes

Do novo e atual da missão.

Desafios e apelos surgiram,

E os missionários melhor sentiram

O potencial da Evangelização!

Por tudo isto somos delegados agradecidos com gratidão missionária.

A gratidão é jóia preciosa.

É como o perfume da rosa,

E como a beleza da flor.

Neste país missionário,

Seguindo no itinerário,

Dos missionários do amor!

Padre Caetano Caon, diocese de Vacaria (RS)

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

X