Amado, amada de Deus, tenho sede do Tocantins!

 

Desde o dia que cheguei aqui, há quase seis anos, tenho feito esta pergunta: o que significa a palavra “Tocantins”? Muitas foram as respostas que me deram, desde um: “não sei” até outras menos comprovadas.

Hoje, no aniversário do Estado do Tocantins, a estrela mais nova, bordada na bandeira do Brasil, fiz novamente esta mesma pergunta: o que significa “Tocantins?” Você sabe, amado, amada de Deus? Não é bom saber?

Segundo o estudo que fiz, “Tocantins” é uma palavra indígena, vindo do tupi antigo. É a junção de “tukana (tucanos) + tim” (narizes ou bicos). Traduzida literalmente significa: “bicos dos tucanos”, em referência à confluência dos rios Araguaia e Tocantins, que tem um formato curvo, que lembra o bico de uma ave. Hoje a região é chamada de: “Bico do Papagaio”. O nome do rio, por sua vez, é uma referência à tribo indígena que habitava à região na época da chegada dos primeiros colonizadores portugueses.

Há muitas piadas gostosas de contar e de ouvir sobre o Tocantins: Uma dela diz: “no Tocantins há um sol para cada um”. Ou esta outra: “aqui no Tocantins nem o vento é fresco”. Ou ainda esta outra: "você não merece palmas merece o Tocantins inteiro!”

Pois bem, deixemos de lado as piadas e cuidemos da vida. O Tocantins tem o nariz de tucano ou o bico de papagaio. Narigudo é o Pinóquio. Mas, o Tocantins, amado, amada de Deus, não é mentira, amado, amada de Deus; é verdade; é realidade. O que temos mesmo para comemorar? Que presente dar ao Tocantins na festa do seu aniversário?

É mister começar afirmando, amado, amada de Deus, que temos poucos para comemorar. O ambiente sócio-político-econômico-ecológico não está fácil nem para os tucanos nem para os papagaios e nem para os seres humanos. 

Tocantins é nome de ave e nome de rio. Tem, portanto, um viés ecológico. O Estado das águas, das chuvas, dos rios, que abriga a caixa d’água do Brasil; o Estado do boi gordo, da soja, da melancia, do abacaxi, do feijão, da pesca, da caça, da cana-de-açucar, do arroz; o Estado do agronegócio, da agropecuária, da agro-ecologia, do MATOPIBA, da ultima fronteira agrícola; o Estado do Cerrado, do portal da Amazônia, o coração do Brasil, é agora transformado em o Estado da seca, da escassez de água, do calor, das queimadas e da fumaça...

O fato é que Tocantins está engessado com vários tipos de paralisias e de sangrias: greves, seca, calor, falta de água, desmatamento, violência, corrupção... 

Mesmo assim, é preciso comemorar, fazer festa, se alegrar e trabalhar por um Tocantins mais justo, solidário e fraterno.

Um bom dia e fique com Deus!