Amado, amada de Deus, tenho sede de ser criança outra vez!

 

“Surgiu entre os discípulos uma discussão sobre quem, dentre eles, seria o maior. Mas, Jesus, conhecendo os seus anseios mais íntimos, tomou uma criança e a colocou em pé, ao seu lado.  Então afirmou: “Quem recebe esta criança em meu nome, recebe a minha própria pessoa; e quem me recebe, está recebendo Aquele que me enviou. Portanto, aquele que entre vós for o menor, este sim, é grandioso” (Lc 9,46-48).

Você deve ser recordar das inúmeras vezes em que Jesus se referiu às crianças como símbolos dos preferidos no reino de Deus! Você também já deve ter percebido a predileção do papa Francisco pelas crianças! Por que será? Você deve se lembrar que existe o dia da criança! E que pode ser hoje, aqui e agora. Todo dia é dia de criança. Todo dia é dia da gente voltar a ser criança outra vez.

Quem de nós não tem saudade da sua infância, do tempo em que era criança?  Quem não se lembra de ter declamado na Escola este romântico e nostálgico poema de Casimiro de Abreu, intitulado: “meus oito anos”. Apenas um trechinho para reavivar a memória intantil: “Oh! que saudades que tenho da aurora da minha vida, da minha infância querida que os anos não trazem mais! Que amor, que sonhos, que flores, naquelas tardes fagueiras, à sombra das bananeiras, debaixo dos laranjais!”

A fase da idade de criança não é apenas uma fase da vida a ser suportada e esquecida. Não é a fase para ser recordada romântica e nostalgicamente. Não é a fase pueril e da meninice. É uma fase que deixa marca na nossa vida, para o resto da vida. Diz um provérbio chinês: “o grande homem é aquele que não perdeu a candura de sua infância”. É bem verdade que uma pessoa pode ter uma infância triste e mesmo assim chegar a ser muito feliz na maturidade. Da mesma forma pode nascer num berço de ouro e sentir-se enjaulada pelo resto da vida. Mas a infância marca e condiciona, ajuda ou atrapalha.

Que me perdoem os adultos, mas ser menino ou ser menina é bom demais. Admita, amado, amada de Deus. Quem dera se todo homem ou mulher, adulto, perfeito, formado, envelhecido voltasse a ser criança. O mundo seria diferente.

Estamos próximo do dia da criança. O que você vai fazer, amado, amada de Deus, pela criança que habita dentro de você? O que vai fazer também pelas crianças que estão aí ao seu redor, na sua quadra, na sua vizinhança e nos outros cenários do seu dia-a-dia? Fazer o bem, faz bem. Quem acolhe uma criança, acolhe Jesus. Quem faz o bem a uma criança, faz o bem a Jesus. O bem precisa ser feito logo. Não pode esperar. Amanhã será tarde demais. Depois não reclame de ações não republicanas de adultos se você não foi capaz de ajudá-los quando eram crianças.

Um bom dia e fique com Deus!