Amado, amada de Deus, tenho sede da estranheza do ser humano

 

No mundo dos humanos é muito mais comum do que imaginamos encontrar estranhezas. O mundo é o mundo dos estranhos. Como explicar a estranheza no mundo dos humanos? Há uma frase lapidar de Carlos Drummond de Andrade que pode explicar a origem da estranheza. Diz ele: “ninguém é igual a ninguém. Todo ser humano é um estranho ímpar”.  

Temos a mania de dizer que mulher é toda igual, que homem é tudo igual. E em alguns aspectos somos todos iguais. Está correto. Em muitos outros aspectos somos muitos diferentes. Drummond foi feliz ao afirmar que “ninguém é igual a ninguém. Todo o ser humano é um estranho ímpar”. Cada um de nós tem suas características que diferencia do próximo, sem contar que estamos em constante mutação.

Mas, o que é estranho para alguns é cultural para outros. O que é folclore para alguns é tradição para outros. Contudo, não deixa de ser estranho, evidentemente. Não me estranho facilmente com certas estranhezas. Como disse um repórter: “eu morro e não vejo tudo!”

Vamos então ao que interessa. Ouça, amado, amado, amada de Deus, o que alguém escreveu e postou nas redes sociais:

“O ser humano é estranho. Briga com os vivos, e leva flores para os mortos. Lança os vivos na sarjeta, e pede um “bom lugar para os mortos”. Se afasta dos vivos, e se agarra desesperados quando estes morrem. Fica anos sem conversar com um vivo, e se desculpa, faz homenagens, quando este morre. Não tem tempo para visitar o vivo, mas tem o dia todo para ir ao velório do morto. Critica, fala mal, ofende o vivo, mas o santifica quando este morre. Não liga, não abraça, não se importam com os vivos, mas se autoflagelam quando estes morrem. Aos olhos cegos do homem, o valor do ser humano está na sua morte, e não na sua vida. É bom repensarmos isto, enquanto estamos vivos!”

No mundo dos estranhos, é estranho o salto de elefante. É estranho o canto do urubu. É estranho o tamanho dos olhos da avestruz. É estranho quem inventou o isqueiro antes do fósforo. É também estranho a cadeira elétrica ser inventada por um dentista. É estranho perceber que os nossos olhos são do mesmo tamanho em que nascemos, enquanto que o nosso nariz e as nossas orelhas crescem com o crescimento do restante do nosso corpo. Diz que é possível uma vaca subir a uma escada. Mas é impossível descer. E, por fim, somente uma pessoa em cada dois bilhões vive até ou mais de 116 anos.

Não é estranho, amado, amada de Deus? Por hoje só com tantas estranhezas. Espero não ter assustado você, amado, amada de Deus, com tantas estranhezas? Faça por conta sua a sua lista de estranheza. O que é estranho para você, amado, amada de Deus?

Um bom dia e fique com Deus!