Amado, amada de Deus, tenho sede da Mãe das Missões!

 

Estamos no mês missionário. E estamos no Ano Mariano. Hoje amanheci com a sede de unir as duas realidades numa só.

Jesus é a origem e o fim da missão. Aliás, ele é a missão por antonomásia. Deus Pai é o pai da missão; Jesus é o filho da missão; o Espírito é o Espírito da missão; e Maria é a mãe da missão. E Maria é a Rainha das missões porque foi a primeira missionária, antes de Cristo, para carregar em seu ventre e torná-lo conhecido e amado no mundo. Hoje, ela continua a introduzir a criança aos homens e mulheres e é a guia dos missionários. Ela é considerada a “Estrela da evangelização”. Ela é a primeira evangelizadora e a primeira evangelizada (Lc 1,26-38; 39-56). Foi ela que acolheu com fé a boa nova da salvação, tornando-se o anúncio, profecia e canto.

         Maria é a Mãe das missões porque estava presente no início da missão, no Pentecostes, os Apóstolos, quando nasceu a Igreja missionária. É a Mãe das missões porque estava presente no início da missão, no Pentecostes, com os Apóstolos, quando nasceu a Igreja missionária. Ela participou, com sua oração, no início da evangelização, sob a influência do Espírito Santo. Ela também está ao pé da cruz, o último dia da missão de Jesus aqui na terra.

Maria é a Rainha dos Apóstolos que desde o início da Igreja tem acompanhado o povo e, de modo especial os missionários. Hoje inspira crente a imitá-la no aplicativo, no carinho e no apoio para o vasto campo de atividade missionária. Maria está presente onde quer que a Igreja realize missões entre atividade de povos: presente como mãe que colabora para a regeneração e formação dos fiéis. Presente como Estrela da Evangelização para guiar e consolar os anunciadores do Evangelho. A presença e a influência da Mãe de Jesus sempre acompanhando a atividade missionária da Igreja.

Cada comunidade que acolhe Maria como mãe, enriquece a devoção e fortalece a sua fé, pois, espelhando-se nas suas virtudes de fé, amor e serviço, coloca-se à disposição de Deus para fazer a sua vontade na construção do Reino de Deus. Muitas destas comunidades cristãs, fruto da obra evangelizadora da Igreja, encontraram no amor filial à mãe de Jesus, o alívio e conforto, perseverança na fé durante períodos de perseguição e de julgamento.

Maria é, portanto, um modelo para os missionários. Na escola de Maria, a Igreja aprende-se a consagrar-se à missão. Os mensageiros da Boa Nova têm um modelo perfeito de consagração e fidelidade em Maria, que totalmente foi consagrada como uma serva do Senhor para a pessoa e obra de seu filho. O papa Bento XVI pediu: “permaneçam na escola de Maria, inspirem-se em seus ensinamentos. A Virgem pura e sem mancha, é para nós escola de fé destinada a nos conduzir no caminho que conduz ao encontro com o Criador do céu e da terra”. De fato, na escola desta Mãe, todos os filhos e filhas da Igreja aprendem o espírito missionário que deve animar sua vida cristã e o zelo apostólico. Na sua escola, Maria nos ensina a seguir seu exemplo, e, com certeza, a comunidade pode crescer mais no espírito missionário e na dimensão contemplativa. Por Maria, chegamos a Jesus missionário do Pai.

Um bom dia e fique com Deus!