Arquidiocese de Palmas

Artigos › 31/07/2020

Cuidado físico e espiritual no combate à COVID19

Quem dizia que no Brasil a COVID19 seria só uma gripezinha, que o calor iria barrar o vírus, já não diz mais, quem dizia que o vírus iria matar mais CNPJ que CPF, já não diz mais. Tinha até quem dizia que não seria uma pandemia. O que percebemos é que esse vírus é mais terrível e letal que imaginamos.

E em nossa pátria mãe gentil: com a irresponsabilidade de alguns governantes na lida da questão e crise política fez com que a questão se agravasse ainda mais; e temos também que enfrentar a questão da corrupção, o superfaturamento dos bens, equipamentos necessários para o tratamento da doença, que se torna uma outra doença terrível em nosso país.

Mas também essa doença se agrava ainda mais com a irresponsabilidade e mal educação de muitos brasileiros, que apesar do alto índice de mortalidade por COVID em nosso país, muitos continuam a não se cuidar e nem cuidar dos outros, continuam fazendo as tristes aglomerações: os bailes do terror, não é só de funk não, de aniversários, várias outras festas e tantas outras bebedeiras e sem falar nas notícias falsas que correm em nosso país.

Nossa palavra é cuidado, essa virtude tão fundamental para o ser humana; cuide de você e dos seus. Se proteja, proteja os seus. Temos que ter sentimento de família, mas também de nacionalidade, de fraternidade nacional, diante de tanto sofrimento em nosso país.

Cuidado físico e espiritual: nos dediquemos em cumprir as orientações de higienização médico-sanitárias que contribuem tanto para a não proliferação do vírus.

Cuidemos do nosso espiritual: esta dimensão tão importante do ser humano, e que constitui, sua mais profunda essência e aspiração. Com nossa espiritualidade, somos capazes de nos comunicar com Deus, busca-lo, amá-lo, encontrá-lo e com Ele tecer um diálogo “face a face” (Ex 33,11). Assim, Deus dar-se a conhecer e segundo o catecismo da Igreja Católica: “o aspecto mais sublime da dignidade humana está nesta vocação do homem à comunhão com Deus”, n, 27.

Que a nossa espiritualidade não seja superficial e somente exterior, ou meramente quantitativa, mas que seja integradora; relacionada com as qualidades do espirito humano – tais como amor e compaixão, paciência e tolerância; perdão e noção de responsabilidade harmoniosa com o próximo e com a natureza.

Nos dediquemos, pois, a espiritualidade profunda, nos transforma e potencializa, nos ajuda a vencer, e é de grande valia para nós. Cuidemos da nossa fé, em tempos difíceis, não podemos cair na desesperança. Renovemos nossa experiência com Deus; muita fé e confiança nesta hora. Paz e bem.

Autor: Padre Geraldinho – Arquidiocese de Palmas/TO

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

X