Arquidiocese de Palmas

Artigos › 19/02/2019

Imitar a Cristo: doação e entrega total em prol do outro

Perguntamos qual a essência da pessoa humana, o sentido de sua existência? Estas perguntas circundam o nosso ser e aparentemente nos parecem difíceis as suas respostas. Mas se olharmos à nossa volta, a nossa vida, a nossa história descobriremos o verdadeiro sentindo de nossa vida e essência da pessoa humana.

O ser humano foi criado a por Deus, “modelados a Sua imagem e semelhança” (Gn 1, 27).

Refletido a vida em Deus, Nele não existe solidão nem rotina, mas sim relação dinamicidade, acolhida, convivência. Em Deus não existe de forma nenhuma solidão. A partir de Deus tiramos à essência do nosso ser, o sentindo do nosso existir. Fomos criados para não solidão, somos seres criados para os outros, para estar com outro, vivermos com outro, nos relacionar uns com os outro.

Essa característica Divina que existe essencialmente em nós nos tira da solidão, da rotina, do individualismo, do egoísmo, desses males que circundam o nosso existir.

Só no passo de nos entregarmos ao outro e aqui falamos de uma entrega gratuita, sem reservas, sem medos, sem cobranças, num sentido de entrega Cristã, sairemos do nosso mundinho egoísta onde só pensamos em nós mesmo e esquecemos que a nossa felicidade está voltada para o outro, relação mutua de profunda e verdadeira entrega, onde somos e seremos felizes se formos capazes de “dar a vida pelo outro”(Jo 15,13) como um amor verdadeiro e único.

Se olharmos para Deus teremos a resposta daquilo que buscamos do sentindo que queremos. Ele nos mostrou a partir do Seu Filho como devemos viver como nos comportar, como nos relacionarmos uns com os outros, olhando para Jesus e seguindo o Seu jeito de ser, seremos felizes.

Essa imitação a Jesus não é uma mera imitação, como robôs ou fantoches, pois nosso Criador nos fez diferentes, característica da essência divina que em tudo se dinamiza. Mas essa imitação a Cristo nos fará buscar algo em comum, mesmo diferentes seremos “iguais” na meta, na missão, no objetivo de vida no qual nos desvincula de nós mesmos e nos impulsiona para o outro. Essa forma de agir e de ser nos fará não só imitadores de Cristo, mas outros cristos para os outros onde continuaremos a espalhar no mundo, e ao nosso redor aquilo que Jesus fez no mundo: O viver para o outro, o dar a vida pelo outro, o ajudar o outro a caminhar assim como fez Sirineu com o Mestre. O sair de si e ir ao encontro do outro, está não só para o outro, mas está com outro, fazendo outro se sentir pessoa, filho, irmão, é a nossa missão.

O nosso desafio é olharmos para o Senhor e sermos para o outro aquilo que Cristo é para nós: salvador (Mt 10,39), irmão (Mt 12,50), aquele que serve (Lc 22,27), que está a nosso dispor, amor (Jo 12,25), aquele que dá a vida (Jo 15,13).

Direcionemos a nossa vida a nossa existência nessa meta, com este sentindo e com certeza não nos perderemos, mesmo diante das limitações e dificuldade estaremos solidificada mente enraizados na vida de Cristo. Assim estaremos na busca da plenitude da vida que é a doação si em prol de outras vidas, resgatando-as e mostrando-as o caminho e o sentindo da vida que é o DOAR-SE E ASSIM NOS CONFIGURAREMOS A CRISTO.

Diácono Lenício da Silva Nascimento (lenicioteofilo@hotmail.com) – Arquidiocese de Palmas

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

X