Arquidiocese de Palmas

Artigos › 19/02/2019

Meu caro padre Marcos

Meu caro

Padre Marcos Antonio Tavoni,

Tenho Sede!

“Quer que vocês comam, ou bebam, ou façam qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus” (1Cor 10,31).

Oferecer foi o gesto mais belo de Deus, ao enviar seu Filho Amado ao mundo para salvá-lo. E agradecer é o gesto mais belo do homem e da mulher. Jesus, na formação dos seus discípulos, não suportou a ingratidão, recriminou a quem ajudou e não soube agradecer-Lhe: não eram dez? Como é que agora somente um voltou para agradecer? Os discípulos de Jesus, de ontem e de hoje, não podem agir assim. Afinal, nós somos ministros do agradecimento. Todos os dias a Igreja empresta sua voz e sua vida para reproduzir ao mundo, as palavras de Jesus na última ceia: “tomou o pão, deu graças”; “tomou o vinho, deu graças novamente”.

Novamente, padre Marcos, desculpe-me por não poder dizer isto pessoalmente. Novamente, em nome dos bispos, dos padres, das religiosas, dos diáconos, dos membros das Comunidades de Vida, dos seminaristas e de todo o povo de Deus, leigo e leiga, o nosso muito obrigado pela presença, serviço e testemunho de vida e de missão. Deus lhe pague. Com certeza Palmas ficará mais pobre sem a sua presença. Mas entendemos que a missão exige saída, mudança, partida… para levar à messe que mais precisa de operários o Evangelho da vida.

Padre Marcos procurando, no meu vocabulário, palavras que pudessem traduzir o nosso sentimento de gratidão, lembrei-me que recentemente lancei um CD com músicas da minha autoria, no qual há uma música que compus para um amigo me que partia:

“Quando um amigo se vai carrega consigo metade de nós. O coração fica triste, os olhos marejam e falta a voz, na hora do adeus.

Por isso, vá, meu amigo, e deixa comigo a tua saudade. Por isso, vá, meu amigo, mas leva contigo a minha amizade.

Quando um amigo se vai, a sua ausência se faz companhia. É como a luz que se apaga, a porta se fecha e termina o dia. A hora é de adeus!

Quando um amigo se vai, a dor da partida se torna canção. A amizade é mais forte e a sua lembrança se faz oração: é hora de Deus!

Quando um amigo se vai… a minha amizade! Quando um amigo se vai… a sua saudade! Quando um amigo se vai… a hora é de: adeus!”

É isto ai. Volte sempre, padre Marcos. Aqui também é a sua casa. E, por fim, desculpe-nos por tudo.

A nossa arquidiocese tem este nome simbólico: Palmas se despede de você com uma salva de palmas.

Uma santa e abençoada missão. E fique com Deus.

Dom Pedro Brito Guimarães

Palmas, 13 de fevereiro de 2012.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

X