Arquidiocese de Palmas

Missionários Gaúchos falam da experiência na V Caravana Missionária Arquidiocesana de Palmas

De 05 a 13 de dezembro de 2015, aconteceu a 5ª Caravana Missionária na Arquidiocese de Palmas, no TO, onde cerca de 100 missionários de todo o Brasil estiveram presentes em realidades indígenas, urbanas, rurais e na Fazenda da Esperança, vivendo e compartilhando experiências. Entre os missionários, estavam os jovens gaúchos Bernardo Menezes, da Diocese de Rio Grande, e João Francisco Bóllico, da Diocese de Cruz Alta.

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, em conexão com a Pastoral Juvenil, reuniu na Missão Jovem CNBB na Amazônia em 2015 cerca de 30 missionários de todos os lados do país, tendo, além dos gaúchos Bernardo e João, mineiros, capixabas, paranaenses, paulistanos, cariocas, pernambucanos, goianos, baianos, mato-grossenses, paraibanos, paraenses, tocantinenses, amazonenses, piauienses e potiguares, seguindo o caminho envolto na Rota 300, que celebra três séculos do encontro da imagem de Nossa Senhora Aparecida, no Rio Paraíba.

Os jovens foram recepcionados na comunidade Sementes do Verbo, em Palmas, capital do Estado de Tocantins, no sábado (05), onde receberam orientações de como aconteceria a missão. Posteriormente foram divididos em comunidades e viveram momentos de integração.

Na manhã de domingo (06), os missionários receberam a bênção de envio missionário de Dom Pedro Brito Guimarães, Arcebispo de Palmas, que animado festejou com a comunidade tocantinense a esperança e o espírito de serviço dos missionários. Logo após o almoço oferecido pela comunidade, os evangelizadores partiram à missão, em aldeias indígenas, Fazenda da Esperança, realidades urbanas e rurais.

Estiveram presentes na missão os assessores nacionais da Juventude da CNBB, Pe. Toninho, Pe. Sidnei e Ir. Irene Lopes, onde juntamente com os jovens, estiveram em todas as realidades acompanhados pela Arquidiocese de Palmas.

No domingo (13), os missionários deixaram suas “casas temporárias”, os locais de missão, e novamente se reencontraram na cidade de Tocantínia, TO, onde festejaram o sucesso de mais uma vivência de missão, avaliaram e seguiram viagem em retorno às suas casas.

Dom Pedro, Arcebispo de Palmas, agradeceu pela presença de todos os missionários e salientou o impacto beneficente à evangelização que a juventude missionária proporcionou. 

Bernardo e João Francisco estiveram presentes nas realidades indígenas, na aldeia Brupé – da tribo Xerente -, e na Fazenda da Esperança de Lajeado, TO.

 Ao retornarem, os missionários voluntários do Eai? Tchê, disseram que a vivência missionária no Rio Grande do Sul, em julho de 2015, na capital Porto Alegre, serviu como um alicerce para penetrar na vida amazônica, impactante em âmbito cultural e sentimental.

Os missionários entregaram a cada representante dos regionais de todo o país a bandana oficial do Bote Fé RS que, sinalizada com a hashtag #FechadosComAMissão, estampava o carisma dos jovens missionários brasileiros, em toda a vivência missionária em Tocantins.

Em depoimento, os jovens missionários puderam contar que “vivências iguais a estas iluminam a vida, cercam os pensamentos de humildade e propagam o amor, sendo na Fazenda da Esperança – que traça caminhos de uma nova vida a meninos e meninas -, nas aldeias indígenas – que sofrem com ações do homem branco, entre outros ataques existenciais -, e comunidades rurais e urbanas que clamam por fé e apoio para seguirem na caminhada, tudo isto é um propósito divino”, ressaltaram.

João Francisco e Bernardo ressalvam que é impossível descrever como foi a missão pela profundidade em que os corações foram tocados diante daquela realidade, onde as aldeias indígenas apresentavam uma cultura ímpar e a Fazenda da Esperança um espírito de grandeza e unidade, mas estão inteiramente dispostos a seguir em missão e partilhar com a juventude do Rio Grande do Sul a vida missionária. 

 

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

X