“A vida dos justos está nas mãos de Deus” ( Sb 3,1).

A Arquidiocese de Palmas lamenta o falecimento de Dom Heriberto, Bispo emérito da Prelazia de Cristalândia. Internado há alguns dias, o Bispo faleceu na manhã desta quarta-feira, 03.

Dom Pedro Brito Guimarães, Arcebispo Metropolitano de Palmas, manifestou os sentimentos em nome da Arquidiocese. "O falecimento de um pastor, de um Bispo seja ele na ativa ou na emeritude, é sempre um momento muito doloroso para a comunidade eclesial. A morte do pastor é sempre um momento triste para a vida das ovelhas. É um momento de sofrimento, mas também de esperança na vida dessa Igreja. 

Rezemos para que Deus receba-o na eternidade como um filho que viveu plenamente seu batismo e realizou a sua missão especialmente voltada para os mais pobres, os  Direitos Humanos e a todos. Minhas condolências, meus pêsames, minha amizade, minha alegria e minha força. 

Peço a vocês que aproveitem esse tempo para fazer uma reflexão sobre a importância da vida e da morte das pessoas. Descanso eterno dai-lhe Senhor, a luz perpétua o ilumine, descanse em paz. 
Cremos no que disse Santa Teresinha: “não morre aquele que vive na mente dos vivos”! 

Todos nós não deixaremos Dom Heriberto morrer porque estará sempre nas nossas memórias como pastor de todos, sobretudo das ovelhas sem pastor. Aos pés de Jesus peça Dom Heriberto, a Ele, pelas nossas Igrejas e pela nossa missão. Amém!"

O corpo será levado inicialmente para Paraíso do Tocantins, onde será velado até a manhã desta quinta-feira. Depois será encaminhado para Cristalândia, onde será sepultado às 17h.

Heriberto nasceu em Shallow Water, Kansas, EUA, aos 25 de maio de 1933, filho de John e Mary Hilger Hermes. Foi nomeado pelo Papa S. João Paulo II como bispo prelado de Cristalândia aos 20 de junho de 1990. 

Teve a sua renúncia, por motivo de idade, aceita pelo Papa Bento XVI aos 25 de fevereiro de 2009. Foram 19 anos como bispo prelado e outros 10 como bispo emérito com dedicação total à missão recebida do Cristo Bom Pastor. 

Doou a sua vida com simplicidade, gratuidade e dedicação aos mais pobres. Nos últimos dez anos, vivendo em Paraíso do Tocantins, dentro do território da Prelazia de Cristalândia, dedicou-se ao Centro de Direitos humanos. Nunca deixou de participar das reuniões do Clero de Cristalândia. 

Era uma presença discreta, respeitosa e alegre com todos. Até os últimos instantes de consciência pensava na missão e no que ainda necessitava fazer. (Com informações da Prelazia de Cristalândia)