Arquidiocese de Palmas

Papa Francisco desafia as famílias a responder esta pergunta para medir seu amor

FILADELFIA, 27 Set. 15 / 11:20 pm (ACI).- O Papa Francisco durante a Missa de clausura do Encontro Mundial das Famílias / Foto: Captura de vídeo

A santidade e o amor estão ligados aos pequenos gestos que se aprendem no lar, afirmou o Papa Francisco na Missa de clausura do Encontro Mundial das Famílias na Filadélfia (Estados Unidos), em uma homilia onde convidou os pais e mães presentes a perguntar-se se em suas casas “se grita ou se fala com amor e ternura?”. “É uma boa maneira de medir o amor”, afirmou.

Francisco presidiu uma multitudinária Missa com mais de um milhão de pessoas, conforme indicou a imprensa local, um fato que marca a história da cidade, onde nunca antes se congregou tal quantidade de gente. “Somos muitos os que participamos desta celebração e isto é já em si mesmo algo profético, uma espécie de milagre no mundo de hoje”, afirmou o Santo Padre.

Em sua homilia, o Pontífice expressou seu desejo de que “oxalá cada um de nós se abrisse aos milagres do amor para o bem de sua própria família e de todas as famílias do mundo, e estou falando do milagre de amor, e dessa maneira poder assim superar o escândalo de um amor mesquinho e desconfiado, encerrado em si mesmo e impaciente com outros”.

Nesse sentido, assinalou, “deixo-lhes como pergunta para que cada um responda porque eu disse a palavra impaciente. Em minha casa, grita-se ou se fala com amor e ternura? É uma boa maneira de medir nosso amor”.

O Santo Padre explicou que “a fé abre a ‘janela’ à presença atuantedo Espírito e nos mostra que, como a felicidade, a santidade está sempre ligada aos pequenos gestos” que se aprende no lar; “gestos de família que se perdem no anonimato da cotidianidade mas que fazem diferente cada jornada”, como preparar o prato quente para quem chega para jantar, “a bênção antes de dormir e o abraço ao retornar de uma larga jornada de trabalho”.

“O amor se manifesta em pequenas coisas, na atenção mínima cotidiana faz-se que a vida sempre tenha sabor a lar. A fé cresce com a prática e é plasmada pelo amor. Por isso, nossas famílias, nossos lares, são verdadeiras Igrejas domésticas. É o lugar próprio onde a fé se faz vida e a vida cresce na fé”, afirmou.

Francisco disse que Jesus “convida a não impedir esses pequenos gestos milagrosos”, e sim a provocá-los e despertar todos estes pequenos gestos, “sinais de sua presença viva e atuante em nosso mundo”.

“Como estamos trabalhando para viver esta lógica em nossos lares, em nossas sociedades? Que tipo de mundo queremos deixar a nossos filhos?”, perguntou o Papa. O Espírito “Nos convida e desafia a respondê-la com a grande família humana”, assinalou.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

X