Arquidiocese de Palmas

Primeira Missa de Dom Pedro na Pró Catedral de São José

Em sua segunda visita à Paróquia São José, o recém-empossado arcebispo de Palmas, Dom Pedro Brito Guimarães, foi bem acolhido pelos paroquianos em sua primeira missa na Igreja, no dia 19 de dezembro, domingo.

O pároco padre Sérgio e o vigário paroquial padre Eduardo Zanom, acolheram o novo arcebispo, o reitor do Seminário Interdiocesano do Divino Espírito Santo, padre Marcos Tavoni, e os padres Lídio Toledo, Alfredo Gilberto, Waldeon Reis e Fábio Gleiser, que também estiveram presentes.

Em sua homilia Dom Pedro criticou o natal consumista que o comércio quer realçar. Disse ainda a Igreja nossa mãe tem uma proposta diferente para o nosso Natal. E que o Natal é a chegada de Deus no nosso coração.

Dom Pedro lembrou que para muitos o Natal é como um aniversário de alguém que já nasceu, que a gente quer recordar dela, ou de um evento que se passou e que nós também queremos fazer memória. O arcebispo esclareceu que não é esse o significado cristão. E que o Natal cristão é fazermos com que os efeitos daquele dia seja atualizado hoje. Isso porque é um novo nascimento de Jesus. E que nunca Jesus nasceu como vai nascer como no dia 25 de dezembro de 2010. Ele virá novamente ao mundo e vai se encarnar novamente nos corações daqueles que o aceitarem. Isso numa festa totalmente nova. Tudo porque ninguém de nós celebrou o Natal este ano. E que é uma nova vida, um novo tempo e um novo ardor no coração da humanidade.

O arcebispo quis também destacar que na liturgia desse domingo, 19, e sobre tudo na liturgia do Natal, nos é apresenta a novidade do cristianismo.

E segundo ele o cristianismo tem uma grande novidade, que nenhuma religião tem. E que muitas vezes as nossas igrejas cristãs também não celebram para comemorar essa novidade.

E perguntou: “Sabem qual é novidade do cristianismo?” E respondeu: É o que acabamos de escutar no evangelho de hoje. Enquanto em outras religiões existe todo um esforço mental e espiritual para subir até Deus, nas mais variadas ações utilizadas por essas religiões para chegar a Deus. No cristianismo é diferente é Deus que vêm ao nosso encontro, é Deus que desce do céu e se encarna no coração da humanidade, é Deus que manda seu filho amado para trazer a salvação. E que nós estamos no ambiente em que vivemos hoje. Só que advertiu que evidentemente, basta apenas que abramos o nosso coração para Deus. Dom Pedro indicou que era como o salmo desse domingo diz: “O senhor da Glória é o rei da Glória é o Senhor onipotente. Abri as portas do coração para recebê-lo!”. O arcebispo enfatizou que isso é verdade e que é daí que vêm toda a preparação do advento que nos estamos celebrando. É para nos preparar para receber Jesus que vem ao nosso encontro.

Para Dom Pedro, a liturgia desse quarto domingo, quando foi anunciado a São José, era interessante pra quem estava ali na Igreja de São José, E que aquele dia deveria ser a festa do Santo padroeiro, porque no evangelho o anjo foi anunciar aquilo que já havia anunciado a Maria. Que São José seria pai de Jesus, no ponto de vista de ser o tutor, do cuidado do guia e para criar as condições para que Jesus pudesse nascer no coração da humanidade.

O arcebispo continuou, e disse que a características daquele domingo era apresentar aos cristãos a novidade do cristianismo, para que a gente não pense ou saiba apregoando por ai que todas as religiões são iguais e que nenhuma tem novidade com relação às outras.

Dom Pedro advertiu que o cristianismo é novo exatamente porque Deus desce a terra, se encarna, toma uma forma humana, assume as condições humanas menos o pecado. E que por causa disso é sacrificado morre. Esse sacrifício é exatamente a grande novidade do cristianismo.

Dom Pedro apela que essa palavra possa ajudar a vivermos um Natal mais cristão. Pois o mundo já tem sua forma, sua técnica de celebrar. Mas, que a Igreja quer ajudar os cristãos a celebrar conforme Deus e a Igreja ensinam.

Como encerramento de sua reflexão da liturgia desse domingo, Dom Pedro disse que queria lembrar uma coisa muito importante. È que na liturgia, foi lido o prólogo da Carta de São Paulo aos Romanos. E que nessa leitura Paulo como grande missionário manda uma carta para um local que ainda não tinha fundado uma comunidade. O arcebispo lembra que foi essa carta que chegou ao ocidente e com isso espalhou o Evangelho de uma forma geral a todos as regiões chegando ao ocidente onde hoje estão os países Europeus e que eles trouxeram 1500 anos depois essa novidade.

Por fim Dom Pedro lembra que Paulo diz três coisas fundamentais, e com elas, ele se apresentava naquele dia para todos ali presentes. E diz que Paulo se apresentou assim: “Paulo servo de Deus, apostolo por vocação, escolhido para o anúncio do evangelho”. Prossegue Dom Pedro dizendo que essas palavras são palavras do coração de um grande missionário, na forma evangélica e bíblica de se apresentar. Servo de Deus, aquele que serve a Deus e se coloca como instrumento de Deus para que as pessoas tenham Deus como referencial de sua vida. E continua: “Apóstolo por vocação”. Para Dom Pedro, isso significa dizer, que foi enviado por Deus e que não foi ele que se alto proclamou, que se alto apresentou, mas foi Deus que deu a ele essa vocação.

Dom Pedro revelou que ele foi contactado pelo Núncio Apostólico no dia cinco de Outubro para ser arcebispo de Palmas. E partilhou que pensou: “Como vou para Palmas se eu nunca estive lá e só sei onde é pelo mapa. E não tenho o menor referencial?” Mas, se lembrou desse trecho quando diz: “Paulo apóstolo por vocação”.

E compartilhou ainda, Dom Pedro: “Nós vamos para um lugar, não por que eu conheça, por que eu estou esperando, para que eu me alto proclame, por que eu quero ir por uma campanha ou invista nos meios de comunicação para me apresentar.” E assegurou: “Não! Nós vamos por vocação”. E que é um chamado de Deus. Enfatizou: “É Deus que nos chama.” Ele concluiu que no trecho bíblico, existem duas palavras fundamentais: “Apostolo que significa enviado e vocação ao chamado”. Dom Pedro encerra: “Nossa vocação é realizar isso, anunciar o Evangelho”.

E disse ainda, “Com esse trecho meus irmãos eu queria também me apresentar aqui, nessa que foi a primeira Igreja que eu pisei ao chegar sexta-feira. E me sinto muito bem em celebrar aqui para apresentar ao coração de todos que o Cristianismo é algo novo é algo bom. Se cristão é grande novidade em relação a todas as religiões.”

Um representante da paróquia falou em nome de todos dizendo da alegria de ter o arcebispo com eles e das expectativas pelo nome Pedro. E que se informou sobre ele e percebeu que ele era um homem prudente e assim pediu que ensine a todos essa prudência e sabedoria.

No final da cerimônia Padre Sérgio agradeceu a presença de Dom Pedro e o convidou a benzer uma imagem de São José. Ele contou que em 2011 a paróquia vai completar 20 anos e que a imagem seria peregrina em uma programação prevê que haverá visitação em várias paróquias de Palmas.

Dom Pedro realizou a benção especial à imagem e em seguida encerrou a Santa missa com a benção final.

Na saída, vários paroquianos procuraram o arcebispo para acolhe-lo, cumprimentos e fotos.

Em seguida Dom Pedro se dirigiu a casa paroquial onde foi-lhe oferecido um lanche servido por paroquianos a ele e aos padres que estavam presentes.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

X