Arquidiocese de Palmas

Artigos › 19/02/2019

Sacerdotes santos

O Prefeito da Congregação para o Clero, Cardeal Mauro Piacenza, recordou aos sacerdotes sua vocação à santidade e os exortou a trabalharem pela nova evangelização para evitar que as nações cristãs caiam em um novo tipo de ateísmo. “As nações cristãs já não sentem a tentação de ceder a um ateísmo genérico (como no passado), mas correm o risco de serem vítimas desse ateísmo particular que vem do fato de terem esquecido a beleza e o calor da Revelação Trinitária”, advertiu o Cardeal na carta publicada por ocasião da Jornada Mundial de Oração para a Santificação do Clero que será celebrada na próxima solenidade do Sagrado Coração de Jesus (dia 15 de junho de 2012).

O Cardeal escreveu que neste contexto, são os sacerdotes os que “devem dirigir tudo para a Comunhão Trinitária: só a partir desta e entrando nela, os fiéis podem descobrir verdadeiramente o rosto do Filho de Deus e sua contemporaneidade, e podem verdadeiramente chegar ao coração de todo homem e à pátria à qual todos estão chamados”.

Dom Piacenza indicou que só assim será possível “oferecer de novo aos homens de hoje a dignidade do ser pessoa, o sentido das relações humanas e da vida social, e a finalidade de toda a criação”. A autoridade vaticana recordou que com a sua ordenação, o sacerdote aceitou não só o convite a santificar-se, mas também a converter-se em ministro da santificação. “Não podemos nos santificar sem trabalhar para a santidade de nossos irmãos, e não podemos trabalhar pela santidade de nossos irmãos sem que antes tenhamos trabalhado e trabalhemos pela nossa santidade”, assinalou.

Entretanto, lamentou os “graves escândalos” que criaram também as suspeitas sobre sacerdotes honestos e coerentes. “Como ministros da misericórdia de Deus, sabemos, portanto, que a busca da santidade sempre se pode retomar, a partir do arrependimento e do perdão. Mas ao mesmo tempo sentimos a necessidade de pedi-lo, cada sacerdote, em nome de todos os sacerdotes e para todos os sacerdotes”, expressou.

Nesse contexto, o Cardeal Piacenza destacou a importância do Ano da Fé convocado pela Papa Bento XVI e afirmou que “não será realmente possível nenhuma nova evangelização se nós cristãos não formos capazes de surpreender e comover novamente o mundo com o anúncio da Natureza do Amor de Nosso Deus, nas Três Pessoas Divinas que a expressam e que nos fazem partícipes de sua mesma vida”.

“O mundo de hoje, com suas lacerações cada vez mais dolorosas e preocupantes, necessita do Deus-Trindade, e anunciá-lo é a tarefa da Igreja. A Igreja, para poder desempenhar esta tarefa, deve permanecer indissoluvelmente abraçada a Cristo e jamais se separar dele; necessita de santos que vivam “no coração de Jesus” e sejam testemunhas felizes do Amor Trinitário de Deus. E os Sacerdotes, para servir à Igreja e ao mundo, precisam ser santos!”, finalizou o Cardeal Piacenza. (SP)

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

X