Arquidiocese de Palmas

Terminou a sua procissão, acabou a guerra. (pensamentos de um pobre "Cura").

A IGREJA terrestre perdeu um padre, Márcio Alves, vítima de um trágico acidente.  Como também semana passada um outro, distante de nós, foi degolado, Jacques Hamel. Fora os que nem sabemos.
Fico pensando qual o valor de um padre!? Quanto valorizamos um padre!? Ontem no jubileu dos padres, alguém dizia "um padre é pra todos, nosso ministério é em prol de todos", mas todos ou parte sabem valorizar isso!? Ontem, foi dia do padre. Fizemos uma procissão. Era nosso jubileu do ano da misericórdia. Éramos um número considerável de padres. Passamos diante de várias pessoas, uns gritavam, compravam, vendiam, ouviam músicas de todo tipo, outros dirigiam e ainda se incomodavam com a procissão que atrapalhava, outros nem se esforçaram para acompanhar a procissão, outros ignoravam. Estavam todos ocupados.
Isso me fez pensar: O que será que está acontecendo com o mundo: será a guerra citada pelo papa? A meu ver, esta guerra chama-se indiferença, chama-se a guerra do "salve.se quem puder", do não tenho tempo;  chama-se a guerra que quer, cada vez mais, banir o Deus Único e Verdadeiro, chama-se a guerra do "não tenho tempo para essas coisas inventadas pelos homens… Seria fácil que Deus voltasse e resolvesse logo essa situação, colocasse logo cada um no seu lugar eterno (inferno ou céu), mas não o fará, pois quem seria os que se sentaria ao seu lado direito? E quem seria os que queimaram longe dele? Cedo ou tarde Ele virá ou até Ele nós iremos. Não sabemos quando, por isso acabemos logo com essa guerra e acompanhemos a procissão preparando-nos para tal dia, como os padres Márcio e Jacques.
Descansem em paz padres. Terminou sua procissão terrestre, aquela que tantas vezes vocês fizeram mesmo sendo ignorados, mas vistos pelos olhos misericordiosos do Pai. Ocupem agora o seu lugar no céu, assumam a coroa da justiça e as vestes da misericórdia, intercedam por nós, padres, para que em meio "as guerras" continuemos firmes na procissão aguardando também a nossa vez de irmos ou a vinda de Nosso Senhor.
Amém.
Pe. Reginaldo
Um pobre "Cura"

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

X